As quedas são a maior causa de morte e ferimentos em idosos. Mais de 1/3 dos idosos caem pelo menos uma vez por ano, e essas quedas resultam em milhões de visitas ao pronto-socorro. As quedas são a causa mais comum de lesões cerebrais traumáticas em adultos mais velhos e também podem causar outras lesões graves, como fraturas do quadril, que podem ter impactos extremamente negativos na qualidade de vida e para nossa economia em geral. O custo direto das quedas para a sociedade é de bilhões.

Por mais assustadoras que sejam essas estatísticas, elas não levam em conta os efeitos psicológicos de uma queda. Os idosos que caem podem ficar com mais medo de cair, e esse medo pode reduzir sua qualidade de vida e sua capacidade de se exercitar adequadamente. A redução da atividade física pode levar a um ciclo vicioso em que a condição física de uma pessoa idosa se deteriora, aumentando o risco de cair ainda mais e reduzindo ainda mais a independência e a qualidade de vida da vítima. Por essas e outras razões, a prevenção de quedas é um componente essencial dos cuidados com idosos.

Mitos sobre as quedas e os idosos

Numerosos mitos cercam as quedas e os idosos. Por essa razão, o primeiro passo na prevenção de quedas é aprender a verdade.

Mito 1

Porque eles têm um estilo de vida mais físico, os homens são mais propensos a sofrer uma lesão fatal de uma queda. A verdade é na verdade o oposto. As mulheres são mais propensas a cair, e também são mais propensas a sofrer ferimentos graves ou morte por queda.

Mito 2

Se você é idoso, então você vai cair – espere. Isso é falso. Os idosos devem esperar – e trabalhar para uma vida livre de quedas. O Conselho Nacional sobre Envelhecimento concluiu que, com os devidos cuidados, um adulto idoso pode esperar viver um estilo de vida completo, saudável e livre de quedas.

Mito 3

Não há abordagem ou assistência sistêmica que possa ajudar idosos a evitar quedas em suas casas. A verdade é que as agências governamentais estão levando a questão cada vez mais a sério. Muitas organizações agora fornecem listas oficiais de estratégias de prevenção de quedas e até mesmo ferramentas para avaliar o risco de quedas.

Mito 4

Uma queda, especialmente uma queda séria, significa o fim da capacidade de uma pessoa de viver de forma independente com dignidade. Nada poderia estar mais longe da verdade. A causa da queda deve primeiro ser determinada. Se a causa puder ser corrigida e um plano de prevenção de quedas for colocado em prática, não há razão para que um idoso não possa continuar vivendo um estilo de vida robusto, saudável e independente.

Mito 5

As quedas só ocorrem devido a deterioração muscular ou problemas de saúde. A verdade é que vários fatores levam a quedas. Muitas quedas realmente ocorrem devido a problemas de visão, medicamentos que causam tontura ou instabilidade mental, pouca iluminação e outros fatores.

Causas e definição de queda em idosos

Como mencionado acima, a saúde pode ser um fator contribuinte para uma queda, mas não é de forma alguma o único contribuinte, e saber a variedade de fatores por trás das quedas pode facilitar a sua evitação. Com isso em mente, aqui está uma lista de problemas comuns que podem levar a quedas em idosos.

Condição médica

Embora não seja o único contribuinte para quedas, sua condição médica é obviamente um fator em potencial. Por essa razão, sempre que você ou alguém sob seus cuidados cair, você deve pensar um pouco: Qual era o estado mental deles? Eles recentemente fizeram um novo medicamento de prescrição? Um medicamento de venda livre que causa sonolência ou tontura como efeito colateral também pode ser o culpado.

Além disso, adultos mais velhos podem sofrer de uma ou mais condições médicas crônicas. Embora os medicamentos possam mascarar essas condições, eles ainda podem contribuir para o risco de cair, mesmo quando controlados. Se você ou seu ente querido sofre de alguma condição médica, pergunte ao seu médico se o problema pode aumentar o risco de queda.

Com as estratégias apropriadas de prevenção de quedas, qualquer limitação física pode ser eliminada como um risco de queda.
Limitações físicas também podem levar a quedas. Há uma diferença, no entanto, entre uma limitação física e um declínio na condição física de uma pessoa. Um adulto mais velho pode, por exemplo, ter sofrido a perda de um membro de um acidente mais cedo na vida, mas enquanto essa limitação física poderia aumentar o risco de uma queda, isso não tornaria o resto do corpo menos saudável. Da mesma forma, os problemas de visão podem exigir estratégias específicas de prevenção de quedas, ao mesmo tempo que não afetam verdadeiramente o bem-estar geral de uma pessoa. Com as estratégias apropriadas de prevenção de quedas, qualquer limitação física pode ser eliminada como um risco de queda.

Fatores ambientais

Seu ambiente doméstico pode criar riscos de queda. Uma casa desordenada, ou uma que, de outra forma, coloca obstáculos em seu caminho, pode causar uma queda, mesmo que sua saúde e condição física não o predisponham a uma. Além disso, variações temporárias no ambiente doméstico podem criar problemas mesmo que a residência esteja normalmente sem riscos. O clima inclemente, por exemplo, pode ter um papel: se uma tempestade faz com que o telhado derrame água no chão da cozinha, é provável que um adulto idoso escorregue no chão eventualmente. (Por esse motivo, geralmente é melhor reavaliar as técnicas de prevenção de queda após qualquer evento climático em grande escala).

Outros fatores ambientais podem entrar em jogo também. Demasiada luz do sol, por exemplo, pode fazer com que um adulto mais velho fique tonto ou tonto, e os leve a tropeçar em um item perdido na casa ou até mesmo em um meio-fio de porta. A prevenção de quedas é uma disciplina holística: muitos fatores podem criar um ambiente de queda de alto risco, e reduzir os riscos requer um compromisso contínuo.

Iluminação

Muitas quedas na comunidade sênior ocorrem devido a problemas ou limitações de visão, mas alguns desses riscos podem ser reduzidos usando iluminação adequada e garantindo que a iluminação esteja funcionando corretamente. Uma boa iluminação pode ajudar até mesmo aqueles sem problemas de visão diagnosticados, e o inverso também é verdade: mesmo se você tiver uma visão excelente, a iluminação fraca pode colocá-lo em risco de cair obscurecendo os obstáculos ou dificultando a navegação em áreas ainda mais desordenadas.

Muita luz solar pode causar um adulto mais velho a ficar tonto ou desorientado. Iluminação muito brilhante pode criar seus próprios problemas. A luz do sol é muitas vezes o culpado nessa situação, mas também as lâmpadas que criam um brilho. Uma sala que seja muito clara pode impedir que você avalie adequadamente os riscos no ambiente, e luzes brilhantes também podem provocar tonturas que levam a uma perda de equilíbrio.

Trajes e Sapatos

Além desses fatores ambientais, uma pessoa idosa pode ter um risco de queda ao redor com eles na forma de roupas. Roupas apertadas podem aquecer muito rápido ou restringir o fluxo sanguíneo, fazendo com que um idoso perca capacidade mental de curto prazo ou habilidades motoras. Roupas extremamente folgadas também podem colocá-lo em risco: ele pode ficar preso em portas, janelas ou móveis, causando uma queda.

Os sapatos trazem seu próprio conjunto de problemas. Em geral, os idosos com alto risco de quedas devem evitar sapatos soltos e sapatos com solas escorregadias. Se você tiver problemas nos pés, os sapatos que não conseguirem resolvê-los também podem causar problemas. Por exemplo, os sapatos normais podem aumentar a dor e o desconforto daqueles com arcos caídos, e essa dor pode aumentar o risco de queda.

Em geral, as pessoas com alto risco de queda devem evitar sapatos com sola muito lisa, salto alto, chinelo e meia.

Cuidados com idosos

Os idosos precisam de ajuda e adaptações para que quedas sejam evitadas e eles não sofram machucados graves. (Foto: HomeTouch)

Prevenção de quedas em idosos: condições a considerar

Com esses riscos em mente, você deve começar a montar uma estratégia para evitar quedas. Aqui, a primeira linha de defesa é avaliar e tomar medidas para melhorar seu estado físico e emocional de sua amada. Aqui estão algumas das questões físicas e psicológicas mais importantes que você deve considerar.

Condição médica

Mais uma vez, muitas quedas não têm nada a ver com a condição médica subjacente de uma pessoa. Dito isto, no entanto, o seu bem-estar físico é essencial para uma vida independente, e a aptidão física é a chave para prevenir quedas. Isso inclui um programa holístico que inclui nutrição, exercícios controlados e uma abertura geral à atividade física ao longo do dia. Você também deve ter seu bem-estar físico verificado com muito mais frequência do que os adultos mais jovens, e você deve adquirir o hábito de ouvir seu corpo e consultar seu médico sobre qualquer sintoma inesperado.

Fora do consultório médico, alguns dos impedimentos mais eficazes às quedas são simplesmente os hábitos diários saudáveis. Por exemplo, beber uma quantidade saudável de água por dia pode ajudar a evitar tonturas ou desmaios. Boa nutrição também é essencial, assim como a atividade física freqüente. Conforme você envelhece, os hábitos saudáveis ​​fazem mais do que apenas ajudá-lo a evitar doenças: eles podem ajudá-lo a prolongar sua capacidade de viver de forma independente.

Um conjunto particular de condições para estar ciente e agir são distúrbios do ouvido. Como os ouvidos são um componente essencial do equilíbrio, você deve verificar regularmente seus ouvidos e deve fazer um esforço extra para fazê-lo caso esteja passando por algum tipo de desequilíbrio, náusea ou tontura durante sua rotina normal do dia-a-dia.

Outras condições que podem precisar ser verificadas incluem dormência nas pernas, falta de ar e dor nas articulações. Cada uma dessas condições pode ser tratada através de um regime físico.

Medicamentos

Em geral, os medicamentos têm um efeito mais extremo sobre os adultos mais velhos do que nos mais jovens, e os sedativos e os antidepressivos rotineiramente aumentam o risco de uma queda em um adulto mais velho. Tome especial atenção a todos os efeitos colaterais e sintomas, mesmo quando tomar um medicamento sem receita. Se você perceber efeitos colaterais que afetam sua mobilidade, trabalhe com seu médico para distanciar-se deles e faça o mesmo com qualquer medicamento que possa reduzir sua capacidade de localizar perigos ou controlar seu corpo.

Imobilidade Física e Lesões

Os adultos idosos que sofreram ferimentos estão em risco especial de cair em casa. Isso é duplamente verdadeiro para pessoas que têm uma história anterior de quedas. Ao procurar reduzir seu risco de queda, esteja ciente dos seguintes fatores – e pense em maneiras de reduzir seu impacto.

Fraqueza do corpo inferior: se o núcleo, as costas, os quadris ou as pernas estiverem fracos ou com dor, isso afetará o equilíbrio de uma pessoa. Os sintomas de fraqueza do corpo inferior incluem uma marcha curta ou comprometida, uma incapacidade de andar por longos períodos de tempo, dor na parte inferior do corpo ao realizar atividades normais e desequilíbrio sem provocação.

Dor no pé: a dor nos pés pode vir de várias causas. Lesões nos pés que não são permitidas para curar corretamente podem afetar seu equilíbrio de várias maneiras. Se o seu calçado é desconfortável de alguma forma, considere alterá-lo como uma prioridade dentro de um plano de prevenção de quedas.

Transtornos da visão: qualquer lesão ocular ou deficiência visual pode aumentar o risco de uma pessoa cair. Pessoas com visão prejudicada podem interpretar mal um risco ou falhar em vê-lo completamente.

Distúrbios do ouvido: as orelhas são essenciais para manter um equilíbrio adequado, e o equilíbrio adequado é essencial para reduzir o risco de queda. Os idosos devem ter sua audição verificada com a mesma frequência que os olhos.

Perda de membros: a perda de uma extremidade que não requer transporte sentado pode aumentar o risco de queda. Na maioria dos casos, também, andar exigirá o uso de um implemento. O programa de prevenção de quedas para essa pessoa pode incluir redes de proteção contra quedas, prevenção contra quedas de janelas, proteção contra quedas por cordões e outras ferramentas de prevenção contra quedas.

Exames Físicos

Mais uma vez, a saúde pode ser um fator significativo para evitar quedas e, portanto, é essencial estar ciente – e procurar abordar – qualquer risco de queda relacionado à saúde. Isso significa que exames médicos são uma parte essencial de qualquer tentativa de redução de quedas. Os exames geralmente começam com uma avaliação geral de um médico de família e avançam para especialistas que abordarão questões específicas. Se possível, certifique-se de que seus médicos incluam as seguintes verificações:

Sua marcha: a maneira como você anda diz muito sobre sua saúde geral, tanto mental quanto física. Isso geralmente será uma das primeiras coisas que seu médico testa.

Equilíbrio: o seu equilíbrio é outra medida holística que permitirá ao seu médico aprofundar-se em questões mais específicas, caso seja encontrado um problema.

Mobilidade: sua capacidade geral de movimentação afeta sua capacidade de reagir rapidamente a um evento inesperado que pode causar uma queda. Você também ganha a habilidade de evitar riscos que podem causar uma queda se você for relativamente móvel.

Aptidão física: é definida como a capacidade de realizar facilmente tarefas do dia-a-dia. Se você não pode, então é mais provável que você experimente uma queda em casa.

Frequência cardíaca: a frequência cardíaca afeta muitos outros aspectos do corpo, incluindo função cerebral, habilidades motoras e visão.

Pressão sanguínea: a pressão sanguínea alta pode ser indicativa de estresse, o que aumenta o risco de queda.

Força muscular: as pessoas mais fortes podem resistir ao desequilíbrio e superar os riscos. Pessoas com músculos mais fortes também poderão andar de forma mais eficaz e equilibrar-se para evitar quedas.

Saúde dos nervos e reflexos: os reflexos são muito importantes, porque muitas quedas são causadas por eventos ou perigos inesperados.

Dieta: a maneira como você come fala sobre sua saúde geral e pode afetar sua freqüência cardíaca, equilíbrio e visão.

Dor: se houver alguma dor em seu corpo, seu corpo pode estar tentando lhe dizer algo – algo que o ajudará a evitar uma queda.

Artrite: dor nas articulações torna mais difícil evitar quedas. Os sintomas da artrite devem ser controlados como parte de uma estratégia de proteção contra quedas.

Medo de cair: como mencionado acima, as pessoas que têm mais medo de cair são, na verdade, mais propensas a cair. Seu médico deve avaliar esta condição psicológica se ela estiver presente e trabalhar para removê-la.

Função cerebral: a capacidade de pensar rápido fala aos seus reflexos e reações musculares. Quanto melhor estes, mais você será capaz de resistir a uma queda.

Reduzindo ativamente as chances de uma queda

Existem muitos sistemas de proteção contra queda comercializados através de empresas privadas e sites públicos. Muitos desses programas usam estratégias semelhantes e, ao trabalhar para reduzir o risco de queda, você deve aproveitar essas abordagens comuns. Como dito acima, você deve procurar exames médicos freqüentes. A saúde do indivíduo é o aspecto mais importante da proteção contra quedas.

Modifique o ambiente

Para reduzir o risco de queda, reduza o número de perigos em sua casa. E, ao fazer isso, lembre-se de que você pode ou não ter limitações físicas de sua amada para eliminar os riscos que talvez enfrente em particular. Algumas modificações comuns incluem chuveiros nas portas dianteiras, colocação de carpetes no piso, alargamento dos caixilhos das portas, redução da altura do meio-fio da porta e instalação de vários sistemas de proteção contra quedas.

Melhore a aptidão física do idoso

O início de um regime diário de exercícios reduz muito o risco de queda. Os benefícios incluem músculos, ossos e tecido conjuntivo mais fortes, uma consciência aumentada do ambiente, mais energia para maior equilíbrio e uma marcha mais forte, e uma maior resistência a eventos inesperados. Exercícios especiais podem ser empregados para reforçar as áreas mais fracas e melhorar a aptidão física holística.

Pegue as roupas e os sapatos certos

Toda e qualquer roupa solta que possa prender na armação da porta, nas unhas ou nos móveis deve ser removida da casa. Escolha sapatos que se ajustem e sigam as limitações mencionadas acima (sem sola lisa, sem material solto, etc.).

Melhore a iluminação da sua casa

Sua casa não deve ser nem muito clara nem muito escura. Uma casa escura esconde perigos e uma casa que é muito clara pode ser igualmente perigosa. Em geral, se houver tanta luz que cause algum problema ao residente da casa, ela deverá ser reduzida. Isso inclui quartos em casa que podem deixar entrar muita luz solar durante o horário de pico.

Incorporar os dispositivos de assistência adequados

Os adultos mais velhos que têm limitações físicas podem precisar usar um andador ou uma bengala para ajudá-los a se locomover, e você deve ajustar seu plano de prevenção de quedas de acordo. Além disso, muitos programas de prevenção de quedas incluem a instalação de barras de apoio em toda a casa.

Obter nutrição adequada

Comer adequadamente ajuda um adulto mais velho a se envolver mais profundamente com o ambiente ao redor. Uma boa dieta melhora o sistema nervoso, dá energia aos sistemas musculares do corpo e estimula o aumento da função cerebral. E obter líquidos adequados pode produzir benefícios semelhantes.

O que fazer se uma queda acontecer?

A prevenção é a melhor maneira de evitar as lesões e outros problemas relacionados às quedas. Mas acidentes acontecem apesar dos melhores planos. Se você testemunhar uma queda, você experimenta uma queda ou você é chamado para uma situação envolvendo uma queda, siga os passos abaixo.

Se você cair, fique calmo. Avalie seu bem estar físico. Você pode se levantar? Você sente dor se você tentar? Fique abaixado enquanto for necessário avaliar sua condição e não faça movimentos extenuantes ou súbitos demais.

Se você acha que pode se levantar, siga estas etapas:

  1. Deite-se de lado. Dobre a perna de cima e levante a parte superior do corpo na posição apoiada no cotovelo.
  2. Puxe seu corpo para um objeto estacionário robusto. Arraste-se para uma posição ajoelhada enquanto usa as mãos para se levantar.
  3. Coloque sua perna forte na frente de seu corpo enquanto você está segurando o objeto estacionário.
  4. Levante-se.

Se você estiver perto de uma cadeira, vire-se, sente-se e peça assistência médica.

Se você não conseguir se levantar, siga as etapas abaixo.

Se você sentir que será ouvido, peça ajuda médica.

Se você não tiver seu celular ou dispositivo de chamada de emergência à mão, deslize-se para o telefone ou banco mais próximo.

Faça o máximo de barulho possível para chamar a atenção para sua situação. Use seu implemento de caminhada se precisar.

Entre em uma posição confortável e segura e aguarde ajuda. Certifique-se de proteger suas articulações.

Se um idoso que você cuida caiu

Se a pessoa que caiu não conseguir se levantar, chame primeiro a assistência médica, se necessário, e então administre os primeiros socorros sem movê-los. Se você não souber os primeiros socorros, assegure-se de que a pessoa esteja tão confortável quanto possível até que a assistência médica profissional chegue. Preste atenção especial nas articulações.

Se a pessoa que caiu pode se levantar, ajude essa pessoa trazendo uma cadeira. Ajude a pessoa a alcançar o posicionamento mencionado acima.

Se você é vítima de uma queda ou testemunha de uma queda, nunca subestime a gravidade de uma queda em um adulto mais velho. Não assuma que apenas porque não há efeitos colaterais são evidentes que não há nenhum.

Se qualquer uma das seguintes situações parecer ocorrer como resultado de uma queda, chame um médico imediatamente: dor prolongada, tontura, náusea, fraqueza, perda de consciência, qualquer lesão visualmente aparente, sonolência, dor de cabeça ou problemas de visão. Esses sintomas podem aparecer nos dias após uma queda ou imediatamente depois. Um médico deve ser chamado em qualquer situação.

Como contatar pessoas no caso de uma queda?

É sempre melhor para um adulto mais velho ter um celular em um local de fácil acesso. Ainda melhor do que um telefone celular é um dispositivo de queda de emergência. Esses dispositivos têm apenas uma função – chamar imediatamente a ajuda médica profissional. Os também têm uma duração de bateria muito mais longa e são muito mais acessíveis a muitos adultos mais velhos. Alguns desses dispositivos estão conectados a programas de seguro que podem ajudar a pagar pelo equipamento.

Como os entes queridos podem ajudar a prevenir uma queda?

Os entes queridos de um adulto mais velho são o recurso mais importante quando se trata de prevenção de quedas. Os entes queridos podem pesquisar e instalar os recursos de melhoria da casa que podem ajudar a evitar uma queda, e eles podem verificar com frequência um idoso para avaliar a casa para perigos e fornecer passeios para o médico para exames.

Mais importante ainda, os entes queridos podem fornecer apoio emocional. Os adultos mais velhos devem ser informados de que a queda não é uma parte normal do envelhecimento e que podem tomar medidas para assegurar a sua independência contínua. Os familiares também podem ajudar com estratégias comuns de prevenção de quedas, incluindo ajudar o idoso a ficar mais ativo fisicamente, e os parentes podem informar outros membros da família sobre técnicas de prevenção de quedas.

As quedas entre os idosos são um problema sério, e uma queda ruim pode ter um impacto enorme em uma vida saudável e independente. A boa notícia, no entanto, é que as quedas podem ser evitadas. Ao fazer um pouco de planejamento e tomando medidas concretas, essa ameaça pode ser reduzida ou eliminada, dando a você e aos seus entes queridos muitos anos de vida independente.

Ficou alguma dúvida? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos ajudar!

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)