Uma das ervas mais populares para ganho de energia e acuidade mental é o ginkgo biloba. Mas o que essa erva tem de tão especial? Sendo usada em diversas misturas energéticas e bebidas de desempenho, é claro que ela chama a atenção. Vejamos quais os usos dessa erva e como fazer o uso dela na dieta corretamente para os melhores resultados.

O que é ginkgo biloba?

Ginkgo biloba é uma erva rica em antioxidantes usada para melhorar a saúde do cérebro e tratar uma variedade de condições. Embora os suplementos dietéticos normalmente contenham extratos das folhas da planta, suas sementes são comumente usadas para fins de cura na medicina tradicional chinesa. Os defensores sugerem que o ginkgo biloba pode proteger contra problemas relacionados ao envelhecimento, como a demência, melhorando o fluxo sanguíneo para o cérebro.

Efeitos do ginkgo biloba

Ginkgo biloba é dito para ajudar no tratamento ou prevenção dos seguintes problemas de saúde:

Degeneração macular relacionada à idade

Doença de Alzheimer

Ansiedade

Asma

Bronquite

Depressão

Disfunção erétil

Fadiga

Glaucoma

Pressão alta

Resistência a insulina

Esclerose múltipla

Doença na artéria periférica

Disfunção sexual em mulheres

Zumbido

Além disso, o ginkgo biloba é dito para preservar a memória, bem como promover a recuperação do acidente vascular cerebral.

Ginkgo biloba para a saúde do cérebro

Até agora, estudos que testam os efeitos do ginkgo biloba contra o declínio da saúde cerebral relacionados ao envelhecimento produziram resultados mistos.

Em uma revisão de pesquisas, os cientistas analisaram nove ensaios clínicos publicados anteriormente com foco no possível papel do gingko biloba no tratamento do comprometimento cognitivo e da demência. Em sua conclusão, os autores da revisão afirmam que tomar 240 mg do extrato por dia por pelo menos 22 semanas pode estabilizar ou retardar o declínio na cognição, função e comportamento em pacientes com comprometimento cognitivo ou demência.

No entanto, um relatório anterior concluiu que as evidências dos efeitos do ginkgo biloba contra a demência e o comprometimento cognitivo são “inconsistentes e não confiáveis”. Em sua revisão de 36 estudos clínicos avaliando a eficácia e a segurança do ginkgo biloba como um tratamento para demência ou declínio cognitivo, os autores do relatório descobriram que a erva parece ser mais segura do que placebo, mas que a maioria dos estudos revisados ​​foi significativamente falha.

Ginkgo biloba e a saúde dos olhos

O ginkgo biloba mostra-se promissor no tratamento do glaucoma, sugere um pequeno estudo. Em testes com 42 pacientes, os pesquisadores determinaram que o tratamento com extrato de ginkgo biloba pode ajudar a retardar a progressão do dano relacionado ao glaucoma ao sistema visual. campo. Além disso, um relatório encontrou algumas evidências de que o ginkgo biloba pode ser de possível benefício no tratamento da degeneração macular relacionada à idade.

Consumo do Gingko Biloba

O Ginkgo Biloba tem alguns benefícios comprovados pela ciência. Seu consumo, porém, só deve ser feito com acompanhamento médico adequado. (Foto: Mayo Clinic News Network)

Pressão arterial e o ginkgo biloba

É muito cedo para dizer se o ginkgo biloba pode ajudar a tratar a hipertensão de acordo com uma revisão de pesquisas. Embora seis dos nove testes clínicos revisados ​​tenham descoberto que o gingko biloba pode ajudar a reduzir a pressão sanguínea, a erva não parece tem efeitos significativos sobre a pressão arterial nos outros três ensaios. Como a maioria dos estudos revisados ​​foi consideravelmente falha, os autores da revisão afirmam que é necessária uma pesquisa mais rigorosa antes que o ginkgo biloba possa ser recomendado para o controle da pressão arterial.

Recuperação de AVCs com o ginkgo biloba

Ginkgo biloba pode não ser benéfico para indivíduos que se recuperam de um acidente vascular cerebral, de acordo com relatórios. Em sua análise de 10 ensaios clínicos, os autores do relatório não encontraram evidências convincentes de que o ginkgo biloba pode melhorar a função neurológica em doentes que sofreram um acidente vascular cerebral isquêmico agudo (o tipo de AVC mais comum).

Efeitos colaterais do ginkgo biloba e preocupações de segurança

Ginkgo biloba pode desencadear os seguintes efeitos colaterais: reações alérgicas na pele, diarreia, problemas digestivos, tonturas, dores de cabeça, fraqueza muscular e náusea. Como o ginkgo biloba pode afetar a coagulação do sangue, ele não deve ser usado por pessoas com distúrbios hemorrágicos ou que estejam tomando medicamentos ou suplementos que afetam a coagulação do sangue, como varfarina, aspirina, alho e vitamina E. Indivíduos com epilepsia ou diabetes também devem evitar o uso de ginkgo biloba, a menos que a erva seja tomada sob a supervisão de um profissional médico. As mulheres grávidas não devem tomar ginkgo.

Dado o número de medicamentos e suplementos que podem interagir com o ginkgo, é uma boa ideia consultar o seu médico antes de tomar ginkgo.

Ginkgo contém um composto chamado ginkgotoxina. Embora a ginkgotoxina seja encontrada nas maiores quantidades em nozes ginkgo, também está presente em pequenas quantidades nas folhas. Estruturalmente semelhante à vitamina B6, descobriu-se que bloqueia a atividade da vitamina B6. De acordo com um relato de caso, uma mulher desenvolveu um ataque tônico clônico generalizado após ingerir grandes quantidades de nozes ginkgo e reduziu os níveis sanguíneos de vitamina B6. (Após o tratamento, que incluía medicação com vitamina B6, seus sintomas foram resolvidos e não houve recaída).

Onde encontrar e como usar o ginkgo biloba?

Suplementos dietéticos e chás contendo extrato de ginkgo biloba são vendidos em muitas lojas de produtos naturais, mercearias, drogarias e lojas especializadas em produtos fitoterápicos. Você também pode comprar online produtos de ginkgo biloba. Você deve usar a dose recomendada pelo seu médio ou a dose recomendada pelo fabricante do suplemento. Não tome suplementos por conta própria, sem a consulta médica prévia. A dose geralmente recomendada é de 120 mg a 240 mg por dia.

Como você usa o ginkgo biloba? Quais outros produtos naturais usa ou recomenda?

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)