O que é a dor na coluna em idosos?

A dor nas costas é uma queixa comum em idosos, que pode resultar em dor considerável e incapacidade. Por este motivo, os idosos com 65 ou mais anos fazem parte das faixas etárias que frequentam regularmente os centros de saúde para problemas de dor nas costas. Estudos têm mostrado que a prevalência dessa condição de saúde aumenta desde a adolescência até indivíduos com 60 anos, antes de diminuir.

Vamos explorar as causas dessas dores e por que os idosos são mais afetados.

Dor na coluna nos idosos: o que preciso saber?

Os pesquisadores estão convencidos de que a tendência se deve em grande parte à exposição ocupacional entre adultos em idade produtiva. Além disso, eles associam o aumento às mudanças relacionadas à idade associadas ao estoicismo e à percepção da dor. A degeneração das articulações da coluna vertebral é um fator importante que causa dor em idosos. A estenose espinhal e a osteoartrite contribuem para o desenvolvimento da dor.

No entanto, a maioria das causas da dor nas costas são autolimitadas e inespecíficas. O envelhecimento leva ao desenvolvimento de várias patologias da coluna vertebral, como estenose da coluna lombar, tumores, infecção da coluna e fraturas vertebrais osteoporóticas. Muitos fatores afetam o prognóstico e o manejo desses distúrbios. Os fatores incluem inatividade física, demência, degeneração espinhal e processamento da dor relacionado à idade.

O diagnóstico e o tratamento precoces da dor nas costas são cruciais porque os casos graves da doença podem levar à incapacidade funcional e a maus resultados do tratamento. Estudos demonstraram que a condição geralmente é subtratada. Até 50 por cento dos analgésicos prescritos por profissionais de saúde são administrados a pacientes em doses abaixo do ideal. Por outro lado, aproximadamente 25% dos idosos com dor nas costas não recebem analgésicos.

Os especialistas afirmam que os idosos devem receber analgésicos em dose fixa, e não quando necessário. O objetivo é atingir uma concentração constante de soro analgésico. Isso torna mais fácil garantir o alívio contínuo da dor, especialmente para quem sofre de deficiência cognitiva.

A anatomia espinhal e as dores de coluna frequentes

A anatomia espinhal é uma estrutura intrincada que consiste em raízes nervosas, tendões, músculos, ossos, nervos e ligamentos flexíveis. As raízes nervosas são projetadas para transmitir mensagens. A coluna vertebral oferece capacidade de absorção de choque e permite que o corpo lide com solavancos e tensões associadas a certos tipos de movimentos. A flexibilidade da estrutura torna mais fácil dobrar e torcer enquanto os ossos, assim como os músculos de suporte, permitem que os humanos fiquem em pé.

O meio ou parte superior das costas (coluna torácica) está conectado a 12 corpos vertebrais, que estão localizados na parte superior das costas. Essa estrutura fornece proteção para órgãos vitais e suporte estrutural para todo o corpo. Um disco torácico degenerado ou hérnia de disco pode causar dor na parte superior das costas. Também é possível que a dor possa ser causada por espasmo ou disfunção articular nos grandes músculos da parte superior das costas.

A parte inferior das costas é mais suscetível a lesões e dor porque suporta mais carga, mas tem menos apoio estrutural. Na maioria dos casos, a dor lombar é desencadeada por tensão muscular, que pode causar dor intensa. Os segmentos inferiores da parte inferior das costas movimentam mais do que quatro outros segmentos que constituem essa parte do corpo. A dor ou ciática associada a esta região normalmente irradia para baixo do nervo ciático e segue para as pernas. Os sintomas da ciática variam de acordo com o nervo afetado.

Cuidados com a coluna do idoso

Idosos tendem a ter mais dores na coluna por diferentes causas, e todas tem bons tratamentos. (Foto: Clinical Pain Advisor)

Causas de dores nas costas

A maioria das pessoas que sofrem de dores nas costas não tem patologia definitiva, como inflamação ou fratura. Como resultado, esses casos são diagnosticados como dores nas costas inespecíficas. A dor é desencadeada por uma variedade de fatores, incluindo horário do dia, atividade física e postura. Esse tipo de dor tem a capacidade de se originar de múltiplas fontes. Muitos adultos mais velhos sentem dor devido à degeneração do disco.

A dor nas articulações facetadas pode aparecer na forma de dor nas costas localizada, associada à dor que se estende à área da coxa. O efeito geralmente é sentido durante a caminhada e agravado por diferentes tipos de movimento. Isso inclui rotação, extensão de tronco e flexão lateral ipsilateral. Por outro lado, a espondilolistese degenerativa lombar geralmente afeta mulheres com 60 anos ou mais. A condição também está associada à hipertrofia facetária.

Idosos afetados por estenose espinhal, dor e déficits neurológicos podem ter espondilolistese degenerativa. Isso está associado ao espessamento do ligamento amarelo e à hipertrofia facetária.

A pesquisa mostrou que a dor nas costas não específica pode ocorrer em outras estruturas além da coluna lombar. Um número significativo de idosos apresenta sintomas semelhantes à dor na articulação sacroilíaca e dor miofascial. Os sinais indicadores de dor nas articulações sacroilíacas se assemelham a distúrbios articulares facetários. Ambas as complicações acarretam dor localizada com ou sem dor que se estende à área da coxa. O sofrimento pode ser aliviado deitando-se na cama.

A dor miofascial é caracterizada por rigidez e sensibilidade muscular, o que causa resistência ao alongamento passivo. O movimento pode induzir dor referida à palpação. Essa condição é comum entre os idosos e se origina nos músculos piriformes ou lombares.

Infecção espinhal é outra causa potencial de dor na coluna. A osteomielite vertebral (OV) é um bom exemplo de infecções que causam dor intensa. A doença é fatal e sua prevalência em pessoas mais velhas tem aumentado nos últimos anos devido ao envelhecimento da população em expansão. A bactéria patogênica pode ser transmitida hematogênica da fonte para outra área.

Staphylococcus aureus é um dos patógenos associados à infecções. Idosos também podem enfrentar osteomielite vertebral tubercular, caso contraiam tuberculose em uma idade jovem. O Mycobacterium tuberculosis é conhecido por afetar e permanecer no osso vertebral. A situação piora devido à deterioração da imunidade relacionada à idade.

Mulheres na pós-menopausa têm maior probabilidade de sofrer fratura osteoporótica, que causa dor considerável. A prevalência de fratura por compressão vertebral aumenta com a idade. Os relatórios mostram que as taxas de prevalência podem chegar a 40% para mulheres na pós-menopausa com mais de 80 anos. Pacientes afetadas por essa condição geralmente apresentam mais incapacidades. A situação é agravada pelo diagnóstico incorreto, uma vez que a maioria dos idosos está convencida de que dores nos ossos e nas articulações são uma parte normal do processo de envelhecimento.

Por esse motivo, os profissionais de saúde se concentram em examinar pacientes mais velhos com início agudo de dor nas costas localizada. O problema pode mostrar sinais de espasmo do músculo paravertebral. Alguns dos fatores de risco para fraturas vertebrais identificados por um estudo recente incluem o uso de corticosteroides, envelhecimento e trauma. As fraturas por compressão geralmente se originam na região toracolombar e podem levar à radiculopatia.

Como evitar dores na coluna?

Embora a idade seja um fator importante que contribui para a dor nas costas, existem fatores adicionais que perpetuam o problema em idosos. Tomar as precauções necessárias ajuda a controlar as complicações. Idosos com uma autopercepção de estado de saúde insatisfatória tendem a sofrer de casos graves de dor nas costas e na parte inferior das costas. Isso foi demonstrado em um estudo envolvendo idosos com idade entre 70 e 102. Como tal, é importante manter uma perspectiva positiva da saúde.

Níveis vigorosos de atividade física também aumentam o potencial de sofrer de dores nas costas. Isso se aplica a todas as faixas etárias. Os médicos são treinados para avaliar as atividades físicas de pacientes idosos que apresentam dores nas costas com o objetivo de fornecer recomendações relevantes.

Por outro lado, fumar aumenta significativamente o risco de dor na coluna. Os cientistas estão convencidos de que os fumantes têm uma percepção diferente da dor quando comparados aos não fumantes.

Os fumantes enfrentam um risco aumentado de desenvolver o problema devido aos efeitos degenerativos nas estruturas da coluna vertebral. Fumar afeta os discos intervertebrais e outras estruturas da coluna vertebral. É comum que fumantes apresentem dores nas costas neuropáticas, decorrentes da compressão das estruturas neurais pelas alterações degenerativas.

Foi demonstrado que vários fatores sociais afetam a gênese e a persistência da dor na coluna. Isso inclui estressores sociais, como más condições de vida, que podem ter um impacto negativo na emoção e na psicologia.

A depressão tem a capacidade de induzir esse tipo de dor. Isso geralmente afeta idosos com estruturas de apoio social limitadas. Os pesquisadores também observaram que os idosos que vivem em instituições de longa permanência dependem da atenção e capacidade de resposta dos cuidadores quando se trata de recuperação.

As exposições ocupacionais podem contribuir para a dor na coluna em idosos aposentados. Pessoas que foram expostas a vibrações de corpo inteiro e levantamento excessivo, inclinar-se, dobrar e torcer o rosto aumentam o risco.

Opções de tratamento para dor na coluna

Os profissionais e associaçoes e cuidados geriátricos fornecem diretrizes sobre como os médicos podem controlar a dor não maligna ao lidar com pacientes geriátricos. A entidade recomenda que os médicos prescrevam analgésicos como o acetaminofeno para pacientes que sofrem de dor crônica na coluna. O medicamento deve ser prescrito em dose fixa para garantir que os pacientes tenham uma concentração constante de analgésico em seu sistema.

Deve-se ter cuidado ao prescrever certos medicamentos a pacientes com risco de convulsão. O mesmo se aplica a qualquer pessoa que esteja tomando drogas como neurolépticos e tricíclicos projetados para reduzir o limiar de convulsão.

Os anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs) são recomendados para pacientes que não respondem positivamente ao acetaminofeno. Nesses casos, os AINEs podem ser prescritos como terapia adjuvante. No entanto, os idosos que sofrem de úlceras pépticas e sangramento gastrointestinal devem receber salicilatos não acetilados para evitar problemas de estômago.

Espera-se que os médicos ajustem as doses para atender às necessidades individuais, uma vez que não há medidas ideais para medicamentos opióides. Optar por dois ou mais medicamentos para a dor reduz o potencial de efeitos colaterais. Essa abordagem elimina a necessidade de prescrever altas doses de um único medicamento, o que eleva os níveis de risco.

Dúvidas? Deixem nos comentários suas perguntas e iremos responder!

Deixe um comentário